post da Martinha Fonseca

Diário de Madame

i´m not done changing

26 jun 17

Nesses dias paradões de são joão (pelo menos para mim que não fui dançar forró no interior), me peguei acompanhando um polêmica em torno da blogueira Rayza Nicacio, da qual eu ainda não tinha tomado pé até então. Eu não sou  muito de acompanhar o trabalho dela, mas lendo alguns comentários, deu para entender que ela tem sido acusada bastante de “ter mudado” desde que se separou do marido, com várias leitoras reclamando que ela “não é mais a mesma”, que “depois do casamento ela despirocou” e por aí vai.

A mesma dinâmica da crucificação da mudança aconteceu e acontece com Bianca Andrade, a famosa Boca Rosa – essa sim uma blogueira que eu acompanho, curto, dou like, assisto vídeo e tudo mais. Novamente, post sim, post não, uma chuva de comentários maliciosos do tipo “nossa, essa aí não é mais a mesma”, “muito forçada, não sei quem ainda acredita em algo que ela faz”, e etc, etc, etc.

Daí que fiquei alguns bons minutos ou horas, talvez, pensando como o ser humano estranha mesmo a mudança, né? Rechaça o que é diferente, pune quem questiona, quem se questiona e quem experimenta mudar. É como se essa pessoa tentasse, a todo custo, manter a vida sobre o controle daquilo que já se sabe como funciona. E aí, não é de se estranhar que, quem se apega tanto a essa controle do “eu já sei que aqui funciona assim, então é melhor manter tudo desse jeito“, tenha tanto medo, reaja com tanto pavor e ira, até, diante de quem ouse mudar.

Mas veja só, que mania é essa de se achar tão importante a ponto de sua opinião sobre a mudança do outro ter que, necessariamente, ser levada em consideração? Que vaidade é essa que nós temos de nos acharmos traídos, ofendidos de forma pessoal, quando alguém ao nosso redor decide mudar e agir de uma forma diferente do que agiríamos, estivéssemos nós no lugar dessa pessoa?

Não dá para esperar que sejamos iguais o tempo todo. Não dá para esperar que, passando por tantos acontecimentos, ora felizes, ora traumáticos e difíceis, a gente saia dali um produto igualzinho ao que entrou. Tampouco dá para esperar que as pessoas se satisfaçam sempre com as mesmas coisas, que não desejem ter ou ser mais, que não sonhem em experimentar o diferente, e ai fica meio retórico perguntar, mas vamos lá: quem é que vai colher diferentes resultados agindo da mesma maneira?

Mudar faz parte. E até estranhar a mudança de uma pessoa também faz. Mas crucificar, se achar no direito de julgar, opinar e tacar pedras em quem muda, aí já é demais. A quem pensar em mudar, meu desejo de que bons resultados sejam colhidos, que todo o esforço valha à pena, e que, não tendo atingido o objetivo desejado, que algo de bom e importante seja aprendido durante o percurso. A quem está do outro lado da mudança me contato com alguém que você julga “não ser mais o mesmo”, meu desejo que você consiga preencher sua vida de coisas mais importantes, que em vez de gastar tanta energia apontando o dedo para os outros, você descubra em você situações que valham à pena gastar a sua própria energia. Que você exercite o direito de não gostar e se afastar de alguém diante de alguma mudança, mas que não se ache no direito de querer, a todo custo, convencer o outro de o que ele quer fazer da vida dele está errado.

Como já dizia minha mãezinha, “deixa a vida de quelé”.

a-há! olha nóissss de volta aqui no armário de madame! sim, temos sombrios de sumiço por aqui, mas estou de volta. Foi bem legal ter me dedicado ao youtube, conseguido os 20 mil inscritos, mãaaas, nunca antes na história desse blog esse nosso cantinho ficou tão abandonado, e isso não é legal, né?

Então vamos voltar com os diários e os demais posts, que mesmo em tempo de poucos leitores por aqui, esse é um espaço que eu quero manter.

<3

A partir da próxima semana eu volto a fotografar meus looks do dia a dia e posto aqui junto com o diário, ok?

 

 

 

Categoria: Diário de Madame
post da Martinha Fonseca

Qual a sua responsabilidade sobre aquilo que te atinge?

#DiárioDeMadame

29 maio 17

 

Fiquei esse fim de semana todo pensando o quanto de nós é responsável pelas coisas que nos ofendem. Sobre o quanto que podemos mudar em nós mesmas para que as coisas ao nosso redor, para que as pessoas ao nosso redor, não nos façam mais mal como elas tem costumado fazer. Mais do que isso até: fiquei refletindo sobre o tanto que algo em nós permite que essa ação do outro (ou da vida) nos atinja e o quanto é nossa responsabilidade blindar isso e nos fortalecer quanto a isso.

Vocês vejam, embora não faça muito sentido (e sem falsa modéstia eu reconheço que não faz), eu cresci me achando burra. As excelentes notas na escola, uma certa habilidade para o violino (nível básico, mas ainda assim uma habilidade, né?) e o jeito para esportes não eram suficientes para me fazer crer que eu era boa em certas áreas. Os elogios, os incentivos, o reconhecimento externo eram gostosos de receber, mas nunca o suficiente para criar em mim um sentimento sólido do tipo: “sim, eu sei, eu sou boa nisso”.

Daí que, ao menor sinal de que meu interlocutor estava insinuando alguma limitação ou “burrice” em mim, o meu mundo desabava. E desaba por vezes até hoje. De repente, uma menina de 10 anos, insegura e frágil, se engrandece dentro de mim e todo o meu medo de “vai que eu sou burra mesmo” me sufoca, me tira do eixo, me fazendo agir até com certa grosseria com quem desperta em mim esse sentimento de inferioridade.

Mas olhando de forma mais profunda a coisa toda – e foi aí que começou a reflexão que me ocupou durante o fim de semana – o que é que acontece em mim que permite interpretar o comentário de outras pessoas como uma tentativa de inferiorizar a minha pessoa? E se o outro de fato insinua ou age como se eu fosse burra, se eu soubesse com segurança que não sou, será que esse comentário me atingiria tanto? Se eu não me sinto inferior, burra ou limitada no geral ou numa questão específica, por que que o comentário de outra pessoa me irrita, me fragiliza e me desequilibra? Não deveria eu mesma me lembrar de quem eu sou, de saber eu mesma as minhas habilidades (e limitações) e sossegar nisso?

Em muitas outras situações, minhas ou de amigas a quem aconselho, eu costumo brincar falando “quem é fulano na fila do pão para você se importar tanto com o que ela fala?”, e talvez eu esteja, eu mesma, precisando seguir meu próprio conselho no quesito “minha inteligência x suposta burrice”. Talvez eu esteja precisando empoderar menos as pessoas a minha volta (por mais próximas que sejam) e tirar delas a capacidade de determinar o meu sossego ou a solidez da minha auto estima.

Há uma parcela grande, bem grande que é nossa nessa história de como coisas do mundo nos atingem. E já que estamos numa segunda-feira, nada mal lembrar a nós mesmas disso.

uhu, hora dos looks!!!

DIARIO1

1. não lembro a ocasião: tshirt renner, cropped frufru, saia dress to, colares pandora, tênis arezzo, bolsa schutz
2. evento e gravação do programa chegue mais: blusa transparente frufru, tshirt forever 21, calça renner, sandália arezzo e bolsa schutz
3. evento schutz: cropped gola alta frufru, blusa dafiti, saia zara, bota e bolsa schutz
4. aniversário: conjunto boah, bolsa osklen, sandália schutz

e ó, em todos esses looks eu usei as dicas de estilo que eu ensinei em um dos vídeos dessa semana no #armariodemadame20k! ainda não viu??

então vem cá e dá play!

Categoria: Diário de Madame
post da Martinha Fonseca

Essa tal necessidade de aprovação

#DiárioDeMadame

22 maio 17

Há um tempo atrás, uma amiga passou por uma situação difícil, daquelas que eu e outras tantas pessoas que ela tem por perto correram para ouvir e dar conselhos. Agimos na esperança de poder ajudar a pessoa que a gente tanto gosta a se sentir melhor, a ficar bem, a sair dessa. E eu não sei se para as outras amigas isso foi uma surpresa, mas para mim a reação dela foi algo tão diferente do que eu faria que aquilo até hoje, semanas e semanas depois, ainda ecoa em mim.

Antes que eu ou qualquer outra amiga pudesse desbravar no mundo dos conselhos, ela veio e disse: “eu não quero conselhos, quero agir por conta própria. Tudo bem para vocês?“. E desde então temos respeitado o silêncio que ela impôs em relação ao mundo externo,  para que ela aja conforme o que ela pensa e o que ela quer, sem acabar ficando confusa com conselhos de outras pessoas – por melhor intencionados que fossem (e eram).

E sabe que eu achei digno e super inspirador ela ter feito isso? Me fez pensar o quanto de mim ainda é uma criança de 10 anos que precisa ter minhas atitudes e ações acolhidas por outros, sabe? O quanto de mim ainda é ansiedade por sentir que não agradei? O quanto de mim toma como problema pessoal a não aprovação das pessoas? Ou a simples indiferença? Que parte de mim, grande ou pequena, precisa contar aos outros o que pensa para receber de volta uma aprovação de que o que eu penso está certo?

Minha amiga talvez não saiba que, além do bem que ela fez a ela mesma, ela  me deu um alerta (mais um, na verdade) de algo importante que desejo trabalhar em mim mesma: substituir a aflição de não agradar os outros sempre, pela certeza de que o que eu faço me agrada. Ela, muito provavelmente sem saber, me lembrou da importância de agir conforme o que me parece certo, sem me confundir com o que os outros esperam de mim; me lembrou da importância de encontrar sossego no que é verdade para mim mesma, sem transferir a responsabilidade do que me faz bem para o outro. Me lembrou que as pessoas que se gostam por muitas vezes podem discordar, e que eu não preciso me sentir mal por isso. Me lembrou ainda, que eu não controlo o que os outros pensam a meu respeito – e que, apesar de ter sido sincera e verdadeira comigo, o que eu sou não agradou alguém. E que é normal se e quando isso acontecer.

“uns vão amar-te, outros vão odiar-te: e nada disso terá a ver contigo”. Combinado?

uhu, looks da semana para vocês! agora sim podemos começar a semana com  pé direito, né?

LOOKDODIA-1

1 – compromissos do blog: jardineira Boah, blusa Zara, meia Zara, sapato e bolsa Schutz
2 – dia a dia: cropped frufru, saia mesckla, parka zara, tênis melissa;
3 – sexta à noite: tricô frufru, saia dafiti, bolsa it bags brasil, bota vicenza
4 – almoço de sábado: blusa não lembro, maxi cardigan frufru, calça renner, cinto forever xxi, bolsa arezzo, sandália schutz

beijos, madames!

Categoria: Diário de Madame