post da Martinha Fonseca

Diário de Madame: minha rotina e uma reflexão

05 maio 14

Ontem a noite fui ao cinema assistir pela segunda vez “Divergente”, já foram ver? Muito legal, muito fofo! Há uns 15 dias atrás eu já tinha visto com meu irmão e gostei tanto do filme, que afim de poder assistir as continuações que virão (vai demorar muito?hihih), topei ir novamente ao cinema com o boy e mais um casal de amigos, para que eles também curtissem as futuras continuações comigo. Amei o filme, mega recomendo! Mas ó, relaxem, esse post não terá spoilers porque não é exatamente sobre o filme que quero falar hoje com vocês.

Ainda sobre o editorial, foto com Hallinson, essa pessoa fofa e mega talentosa, responsável pelo make & hair das fotos. Quem quiser saber mais, é só seguir @hallinsoncosta no instagram!; e no outro clique, uma foto dos bastidores. Vendo as fotos no post de quinta-fera, nem dava para imaginar que o cenário das fotos do sofá tinha mar e coqueiros atrás néam? Mari rocks!

Meu primeiro pensamento ao sair da sala do cinema, confesso, foi “Amei Jogos Vorazes, mas gostei ainda mais de Divergente e por coincidência, nesse mesmo fim de semana, li um texto no blog da Carla Lemos, o Modices, sobre o feminismo e personalidades atuais que defendem a filosofia.  Bem, quem me conhece sabe, eu sei pouco sobre o feminismo e tenho uma resistência natural a tudo que me parece exagero – nem 8, nem 80 sabe? Daí que mesmo assim fiquei interessada em ler esse post, e ao final, uma parte em especial me chamou atenção.

Percebi que não só eu estava fazendo comparações e conexões entre Divergente e Jogos Vorazes. A tirar por trechos da entrevista postados no tal post do Modices, a mídia também já estava fazendo comparações entre os dois filmes e as duas protagonistas. O que me chamou atenção, no entanto, era que não era um tipo de comparação técnica e natural sobre filmes concorrentes. Era aquele tipo de comparação mais sórdida, cruel, pequena e tacanha típica das revistas de fofoca e, por que não, tão típica da vida que levamos hoje em dia. 

Dando notícias do #saudedemadame, essa sou eu, almoçando em shopping em dia de completa correria. A minha vontade era Spoleto, mas né, #fé #foco #deusnocomando e eu acabei indo no Raízes, fazer um pratinho saudável. Yey!!

Por que tenho que escolher se sou team Ivete ou team Claudinha Leitte? Se prefiro Angélica ou Eliana? Ou ainda Xuxa? Por que tenho que bradar que sou muito mais Camila Coutinho ao invés de Thassia? Por que as pessoas alimentam, curtem e incentivam rixas entre mulheres?  Por que não somos acostumadas a ver as diferenças e conviver com elas ao invés de alimentá-las? Por que gostos e preferências do nada acabam virando disputas?

Perguntada sobre quem iria vencer uma briga da braço, ela, Shailene Woodley, protagonista de Divergente, ou Jennifer Lawrence, protagonista de Jogos Vorazes, a menina foi experta e respondeu:Nossas personagens iriam dizer ‘hey, garota, eu vejo o que há de bom em você’, ‘oh, eu vejo o que há de bom em você também!’. Não vamos brigar, vamos combinar nossas forças e brigar com outras pessoas juntas“.

Achei genial!! Não seria mais fácil ela cair no joguinho do entrevistado e iniciar ali uma disputa infantil e sem sentido entre ela e Jennifer Lawrence? Fiquei me perguntando se eu mesma, no lugar dela, não teria feito isso. E imediatamente pensei no meu dia a dia, no dia a dia das minhas amigas e de outras tantas mulheres, e nas chances que desperdiçamos em ter uma vida mais leve e feliz ao alimentarmos rixas idiotas com outras mulheres. Só os homens saem ganhando com isso.

Eles têm amizades duradouras, reais, sinceras e que nem sempre é baseada no tempo para ser tudo isso – sabe aquela máxima de que homem é corporativista e que basta ter sido apresentado a outro homem para ele sair em defesa caso ele precise? Por que nós, mulheres, sempre temos que ter grupinhos diferentes, temos que criticar a outra sem conhecer, temos que julgar e afastar? Odeio isso de que mulheres não são amigas. Por que não são? Por que não podem ser?

Alguns dos looks do dia em cliques informais, hihihihi ;*

De um tempo para cá, percebi um monte de coisa que eu queria mudar em minha vida na tentativa de ter mais paz de espirítio e mais felicidade – e isso envolvia mudar certas coisas na minha relação com o mundo, com homens e com mulheres também. Cansei de intrigas e hoje, apesar de ser fiel ao meu coração e meus instintos quando percebo que não gosto de fulano por algum motivo (e aí pode ser tanto homem quanto mulher), eu me policio para não ir pelo caminho mais fácil de criar rixas que não precisam ser criadas. Por que eu tenho que odiar a atual do meu ex? Ou a ex do meu atual? Por que a amiga do meu namorado não pode ser “apenas e sinceramente apenas amiga”? Ela necessariamente precisa ser mal intencionada, maliciosa? Sei não..

Não estou dizendo aqui que o mundo é cheio de pessoas boas – infelizmente não é. Mas se a gente entre nesse história de que o ser humano é necessariamente podre e que fulana é necessariamente uma piriguete (para não dizer coisa pior), ai…a vida fica tão chata, né?

E, por fim, alguns cliques das mil e uma comemorações de aniversário de 12 anos de meu irmão. O mau de fazer aniversário no feriado é que muita gente viaja; o lado bom é que ele aproveita isso para fazer chantagem emocional e me tornar refém das mil e uma comemorações dele. De quarta até domingo teve: visita à taça da copa, jantar em família, café da manhã, almoço, ida ao Outback com amigos, futebol e bolo aqui em casa (esse bolo lindo que D. Patrícia fez! hihi) e no domingo ainda teve outro bolo para comemorar novamente o aniversário, dessa vez na casa da vó. UFA!

Brinco com frequência que odeio ter inimigas porque tê-las, e sustentar um carão quando essa pessoa está por perto ou ter que criar aquele climão toda vez que estamos juntas e tudo mais que “ter uma inimiga” requer, dá muito trabalho; e que só por isso eu prefiro não ter inimigas. Eu brinco muito com isso! Mas é claro que é algo mais que me motiva a isso: eu odeio cada vez mais essa história de que mulheres não podem ser amigas, que não são sinceras umas com as outras, e que existem papéis (tipo esse de “ex” X “atual”) que elas têm que necessariamente se odiar. Ai, me cansa. Odeio quem me dá motivo real para isso, não quem o mundo manda eu odiar. Seja homem, seja mulher.

 E vocês, madames, o que pensam sobre isso? Dêem uma lida no post do Modices, vale à pena! Depois voltem aqui para comentar o que acharam, ok? O  tradicional post “Diário de Madame”, está aí em fotos e legendas; mas achei  aproveitar a oportunidade para expressar um pensamento que tive durante essa semana, e compartilhar tudo que penso com vocês.

Categoria: Sem categoria
Comente pelo facebook
30 comentários
  1. Thaís

    Martinha, sou seguidora fiel! Amo seu blog, de verdade. Mas confesso, que tenho vergonha de comentar… Mas o texto de hoje, oddiário de madame está tão incrível, que resolvi quebrar o gelo. Aforei o texto, super concordo com você, mania ruim que as pessoas tem de cultivar essas brigas, de levar as coisas sempre para o lado negativo. Eu brinco sempre, que nesse quesito, sou um pouco “homem” , amo ter amigos (acredito que homem e mulher podem ser amigo) do sexo masculino. Eles são mais descomplicados, mais leves. Mas gostei da sua proposta, de que nós mulheres, tentemos ser também mais leves e descomplicadas!!!!

    Acabei escrevendo demais no meu primeiro comentário por aqui! Rs

    Beijos

    Responder
    • thaís!
      adoro primeiros comentários e adoro comentários longos!! acertou em cheio! hihih
      pois é, mulher parece que gosta de ter esse papel né? mas não precisa…é só isso que falei no texto. você pode odiar fulana, mas se ela te der motivos para isso sabe? não uma implicância boba, pre determinada porque simplesmente mulheres não podem ser amigas. uma chatice isso!! beijos!

      Responder
  2. July

    Martinha, muito bom o diário de hoje, gostei do link que você fez do seu dia a dia com esses pensamentos sobre feminismo.

    Sobre sua frase “eu sei pouco sobre o feminismo e tenho uma resistência natural a tudo que me parece exagero – nem 8, nem 80 sabe? “. Eu entendo sua resistência, mas se você for mais a fundo, vai entender que não há motivo para tal. Não há nada de radical. Há várias formas de ser feminista, não necessariamente você precisa ir numa Marcha das Vadias.

    Uma frase que acho muito legal é essa: “Feminismo é a ideia radical de que as mulheres são gente”.
    No início eu também encuquei com o termo e como muitos, achava que feminismo era o contrário de machismo. Mas não é! Feminismo é igualdade. Leva esse nome porque a emancipação se dará pelas próprias mulheres, que é o grupo oprimido – já que o opressor nunca abrirá mão de seus privilégios por livre e espontânea vontade.

    Muita gente fala “Não sou machista nem feminista, sou humanista”. Bom, leia esse post e vc vai entender http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2014/04/guest-post-homens-humanistas-que.html
    Alias, recomendo demais esse blog.

    Beijo Martinha

    Responder
    • Oi juLy!
      adorei sua fica de leitura!! vou guardar para ler no fim de semana! informação nunca é demais, não é?
      ainda mais se for pra entender mais sobre um assunto tão importante!!
      adorei!
      obrigada pela dica e você está certíssima: feminismo é igualdade!! :*

      Responder
  3. Luana

    Martinha,
    Adoro o post diario de madame, especialmente qd vem c uma reflexao.
    Axo q ser feminista eh natural de mtas mulheres, algumas nao assumem por ter uma visao distorcida do significado dessa palavra.
    Afinal quem ja n teve q provar q era tao boa qt os homens em algum aspecto? Quem n se sentiu indignada por algum comentario machista?…
    E sobre a competividade entre mulheres, q somos falsas e nos levamos mto a serio, p mim isso ja se aplicou na adolescencia. Hj acho q tenho amigas mais verdadeiras q meu marido, as defendo c unhas e dentes e sei q elas tb fazem isso por mim. Acho a relacao de grande parte dos homens sempre mto superficial, se eh p falar d futebol, fazer um churrasco, zuar um amigo eles sao mara, mas difilmente eles tem mais d um amigo p falar d seus problemas mais profundos.

    Responder
    • Oi Luana!

      que bom que você conseguiu achar amigas fieis e bacanas!! eu também tenho as minhas e amo todas elas!!!
      mas tem esse lance também de mulher pensar que se não é melhor amiga é inimiga, sabe? aí não quer conversar, acha uma chata, uma oferecida e por aí vai. isso me cansa!!! precisa mudar,e logo!!!
      adorei também o que você falou dos homens. eles se dão muito bem entre si, dão risadas mas é verdade: um homem que tem um grupo de 20 amigões, desses apenas 1 é aquele que ele se abre, e conversa sobre coisas mais sérias do que futebol e trabalho. talvez nisso os homens precisem melhorar!
      beijos

      Responder
  4. Juliana

    Chega a ser uma sacanagem o que tentam fazer aí né? Ao invés de valorizarmos que tem surgido mais filmes com protagonistas femininas fortes, corajosas, sendo bons exemplos pra todas as mulheres (e perceba que elas nao abdicam de terem duvidas, amar alguem, chorar etc dos cliches associados a mulheres fortes afim de desfeminiliza-las) ficamos tentando criar uma rixa entre elas, ver quem é melhor, etc.
    Sou feminista sim, justamente pq como falou alguem ai em cima defendo o direito de que sejamos tds tratadas como pessoas de igual pra igual – pq se olharmos a comparacao de salarios de homens e mulheres no mesmo cargo veremos que nao ha igualdade, se olharmos o indice de violencia domestica e morte de mulheres por seus parceiros veremos que nao ha igualdade, pq se olharmos que os homens podem sair sem camisa mas se nós sairmos de shorts estamos pedindo pra ser estupradas… nao ha igualdade. O feminismo nao eh uma proposta de troca de optessor e nem precisa ser coisa de quem vê pêlo em ovo, mas sim de quem defende a simples igualdade entre generos, como tb ainda precisamos alcancar em termos de igualdade racial, afetiva, etc.
    Por fim, concordo c vc, temos que parar de alimentar td essa cobranca por perfeicao entre nos mulheres, tanta disputa… Isso so nos enfraquece enquanto individuos e enquanto grupo. Fiquei assustada essa semana vendo as criticas as famosas sem make da glamour… Quer dizer, a campanha tem o intuito de nos dar um estimulo a aceitacao, de nao nos cobrarmos tanto a perfeicao e para que n nos achemos tao feias ou abaixo da media… Pessoas mt famosas e que vivem de imagem aceitam se exporem ao natural para valorizar a ideia e o que fazemos? Reforcamks a competivodade feminina falando da pele de fulana, que beltrana ta mt feia, etc. Precisamos achar que todas ao natural dao bonitas? Nao! Mas precisamos sair escrevendo duras criticas a aparencia delas ao participarem de uma inicitiba tao valida? Acredito que nao tb…

    Responder
    • oi Ju!!!

      concordo em tudo, tudinho que você escreveu!!
      era para gente estar comemorando vídeos com protagonistas mulheres fortes, possíveis, batalhadoras, determinadas.
      era para gente estar achando o máximo a campanha do “sem make com glamour” no instagram.
      mas não, a gente prefere reparar que os filmes são iguais e que elas podem se odiar; que fulana de tal ter um nariz torto, uma espinha na testa, um cabelo menos liso do que parece… eu hein!!1
      tô mega cansada desse tipo de atitude. na internet, as pessoas parecem que têm necessidade de serem cruéis sob a máscara do “só estou dizendo a verdade” e sob a proteção do anonimato e da distância que a internet impõe. fico me perguntando o que essas mulheres fazem da vida para ter tanta disposição para negatividade.
      na vida real, é um tal de se fechar em grupelhos…nossa! pra que? tipo: você tem seu grupo com suas amigas, claro, isso é ótimo e longe de ser um crime. mas uma nova pessoa na mesa de um bar, a nova namorada de um cara, ou seilá quem, não precisa necessariamente ser chata, ser ruim. também não precisa necessariamente entrar para o seu grupo de melhores amigas. mas custa se abrir para conhecer pessoas novas sem ser tão crítico assim?
      beijos!

      Responder
  5. Dani Bulcão

    Martinha,
    Sei que estou em falta por aqui, mas a reflexão que você nos fez fazer com o post de hoje me fez ver que, na verdade, as pessoas são assim pelo simples fato de que a sociedade “impõe”, de certa forma, alguns modelos de esteriótipos que acabamos carregando para a nossa vida!!!
    Também procuro me policiar com relação a “não gostar de alguém logo de cara”. Isso torna a nossa vida tão mais leve… A relação de amizade ou de admiração tem que surgir com o tempo e com a convivência, como vamos saber se a pessoa é legal apenas no primeiro encontro?
    Amei o texto!!!!
    beijos!!!

    Responder
    • Oi Dani!!

      tenho sentido sua falta por aqui, mas eu sei que a vida é uma eterna correria e que tem vezes que embola né??? mas que bom que comentou nesse post! estava há um tempo querendo escrever sobre o assunto, e o filme que assisti no domingo me deu esse clique.
      concordo com você em gênero, número e grau: a vida fica mais leve quando a gente se permite fazer as coisas com menos cobrança, menos no automático, né??? faaaato que é bem melhor viver assim!! beijos

      Responder
  6. Julianna

    Muito boa sua reflexão martinha! Infelizmente, a maioria das mulheres tem essa mania de ter rixas, grupinhos, panelinhas… eu não entendo exatamente porque! Parece que as mulheres são amigas pelo fato de terem uma inimiga em comum mais do que pelo que a amizade proporciona em si. Eu já fui um pouco assim e inclusive tenho algumas amigas que simplesmente colocam defeito em todas as outras amigas. Felizmente eu percebi o quanto isso é mesquinho, medíocre e o quanto representa uma insegurança e imaturidade por parte da pessoa. Pra mim o pior de tudo é a falsidade. Sempre tem aquelas brincadeirinhas de que mulheres são falsas e falam mal das próprias amigas pelas costas e o pior é que muitas vezes é verdade. Acho que se você não gosta de alguém, o que pode muito bem acontecer – por falta de afinidade, ou porque a pessoa fez algo que não gostou ou outro motivo – o mais sensato é se afastar da pessoa! Muito mais simples e descomplicado do que fingir ser amigo! E se essa pessoa faz parte da sua galera, é claro que você vai tratá-la com respeito e tal, mas não precisa ser falsa para isso. Acho que o segredo é aprender a se preocupar menos com bobagens e picuinhas pequenas. Tem tanta coisa mais importante na vida do que o que fulana pensa sobre mim ou o que ela disse “para me provocar”. Meu novo lema é “se preocupe com sua própria vida e só aceite o que te fizer bem.” Amizade de verdade é aquela que te acrescenta algo de bom, mesmo que seja algo simples. Também torço por um mundo em que as mulheres saibam ser mais descomplicadas!

    Responder
    • Oi Ju!!

      eu concordo com você. as vezes a melhor solução é se afastar apenas. nem fingir sem amiga, nem bradar por aí que não gosta da pessoa. simples. porque existe um equilíbrio né? não precisa ser melhor amiga se você não quer, mas não precisa ser mal educada tb. se você frequenta os mesmo lugares que essa pessoa que você não gosta, não custa dar bom dia, boa tarde, boa noite ou manter aquela conversa de elevador, sobre o tempo, a política, a escalação de felipão e por aí vai. você se expõe menos e ganha mais. :)
      beijos!

      Responder
  7. Camila Farias

    Bela postagem e belas palavras!! Adorei!! beijos

    Responder
  8. Dami

    Boa, Martinha! Vamos parar de nos chamar de “azinimiga” né? Rsrssrsrs
    Realmente, essa idéia de que nós mulheres somos sempre rivais é horrível e só nos desune. As mulheres ainda têm muito o que alcançar em termos de igualdade com os homens e essa suposta rivalidade atrasa muitas conquistas.
    Eu penso naquela expressão ridícula de que fulaninha é “mal amada”, de que as meninas que foram estupradas num ônibus a pouco tempo atrás eram umas piriguetes, que mulher que apanha do marido e retira queixa é porque gosta de apanhar e coisas do tipo. Coisas que nós ouvimos das próprias mulheres! Ao invés de ajudarmos umas às outras, ficamos nos julgando mal e assim, deixando que injustiças se perpetuem. Se não nos unirmos para defender os nossos interesses, quem o fará?
    Eu li o post que você recomendou e gostei bastante. Ainda não assisti o filme, mas fiquei super curiosa!
    Gostei do post de hoje!
    Bjos!

    Responder
    • Oi DAmi!
      nossa, você tem razão. atrasa tudo esse rixa boba.
      não só impede de a gente ter uma vida em paz e sossegada, como ainda tem consequências mais graves como essa que você citou de “mal amada”, de a menina ter culpa pelo estupro…nossa, beira o surreal tudo isso!!
      temos que ser mal amadurecidas, saber que cada pessoa tem sua história e sua relação com mundo. que a gente não gosta de uma ou outra pessoa, mas por motivos reais e justos. e mesmo que a gente não goste, que isso não vire o centro das nossas vidas né? as vezes eu vejo as pessoas se dedicando em seguir, acompanhar e saber de tudo da vida das pessoas que ela não gosta mais do que se dedicando a amar quem as ama de volta. isso não pode estar certo né?
      beijos

      Responder
  9. Tai

    Eu sinto falta do tempo em que as pessoas se preocupavam com as outras, com os vizinhos, com os filhos da amiga. A modernidade tem me assustado! Não falo isto como uma pessoa velha, eu tenho apenas 28 anos.. Mas me assusta esta competitividade atual de ser sempre o melhor, ter o melhor carro, os melhores looks, o iphone mais novo e a necessidade de ter que afirmar todos estes itens em redes sociais, provar que sim, eu sou super feliz!
    A gente precisa aprender a ser simples, leve, feliz de verdade… Eu também estou filtrando e tentando ver o lado bom da vida em tudo! Dá muito certo. Beijos Martinha!

    Responder
    • oi tai!

      quem precisa provar que é feliz já está no meio do caminho do sentido contrário, né? concordo com você!!
      as pessoas podiam exercitar uma real preocupação uns com os outros, faria bem a todo mundo!!1
      beijos!!!

      Responder
  10. Júlia Evelyn

    Martinha, faz tempo que não visito seu blog! É um prazer estar de volta!
    Ainda não assisti Divergente, mas assisti Jogos Vorazes. Se há comparação, é porque o filme é bom!
    Sobre a saúde de madame, vi em seu prato um alimento que sempre incluo na dieta: Grão de bico! Sacia e emagrece. Tem coisa melhor?
    Os looks informais estão uma gracinha!
    E ah, parabéns atrasado para o seu irmão!
    Bjinhos!

    juliamodelodemodelo.blogspot.com.br

    Responder
    • Oi Julia!!

      oooh, não suma não!!:))))) hihiihih
      amo grão de bico! é uma delícia, já gostava antes…quando soube que era bom pra dieta…melhor ainda! hihihih
      beijos!! e mandei os parabéns pra meu irmão! :)

      Responder
  11. Nanda Lacerda

    Oi Martinha,
    Não sou muito de ler textos muito grandes rsrrs mas esse realmente me interessou, por que é exatamente o que penso. As mulheres tem uma péssima mania de julgar pelas aparências e não dão espaço para conhecer realmente a pessoa e saber se ela é tudo aquilo que se constroem na mente. Ao invés disso as julgam e passam isso para seus grupinhos. Falando em grupinhos que é outra coisa que detesto, mas que as mulheres amam fazer é se fecharem em um grupinho e quando chega alguma outra mulher que já conhecem mas não tem tanta intimidade simplesmente não dão espaço para que ela se interajam na conversa e as ignoram. Isso é muito feio, e eu sempre penso assim: Não faça com os outros o que não queriam que fizessem com você. Acredito em amizades sinceras e acredito mais ainda que isso está se tornando cada dia mas raro. Bjs Linda
    http://www.minnivest.com

    Responder
    • Oi Nanda!!

      amizades sinceras ainda existem, pessoas boas também! a gente tem que se desarmar para perceber isso, simples assim.
      as vezes a gente se desarma e dar o azar de encontrar uma pessoa não tão legal assim, mas acontece. isso não pode determinar que você nunca mais vá confiar em ninguém, que os seres humanos são podres e por aí vai. não dá para viver bem e feliz assim!!
      beijos!

      Responder
  12. Dana

    Martinha, juro que li seu post todo mas só consegui pensar em
    uma coisa: como assim vc gostou de Divergente???!
    Vc nao leu o livro, né?
    Nossa, sai do cinema INDIGNADA! Eles simplesmente fizeram uma versão tosca e resumida do livro! Tiraram toda a beleza de Tris e estragaram toda a magia entre ela e Quatro! Fora outas mil coisas que nao posso comendar pra nao dar spoiler… hunf!

    PS: tirei a madrugada pra me atualizar, e o AM sempre maravilhoso!!

    beijos!

    Responder
    • Oi Dana!!

      o lado bom de não ter lido o livro é que o filme sempre (ou na maioria das vezes) é super ótio. o lado bom de ter lido o livro, no entanto, é que você sabe que a experiência com a história pode ser ainda melhor.
      eu sou meio conformista com isso, livros são sempre mais completos. não tem como transformar isso em filme e ter alguma perda. nem me incomoda mais!
      hihih
      beijos!

      Responder
  13. Maria

    Muito legal e inteligente essa sua reflexão. Sua criticidade em descrever os pontos de vista e até sua sinceridade ao dizer que, previamente, acabava ‘aderindo’ a essas rixas, fazem nos ver também nossas atitudes. Beijos

    Responder
    • Oi Maria!

      é que a gente começa a entender o mundo quando a gente se propõe a entender nós mesmas né? e começar a mudar o mundo mudando a gente primeiro também. !! beijos!

      Responder
  14. Ticiana Araujo

    É por essas e outras que prefiro amigos homens!
    Não tem tanto mimimi

    Tbm concordo que as pessoas deviam parar de rotularem umas as outras, e deixar de tante intriga, mas devo confessar que é o que mais tem, entre nós, mulheres! Enfim.. é tanta rixa, competição, que cansa.. quero ser “one of the guys, they’re so much fun” hahahahhahah

    Adorei os clicks, mas sabe, me incomodou um pouco eles “quebrarem” o texto.. pq às vezes achava que já tinha lido tudo desse assunto, me empolgava lendo as legendas, e puft.. voltava para a sua reflexão! hahahahahha Martinha, vc quebrou meu raciocínio.. hahahahah mas adorei o que vc escreveu!

    Beijos, Madame!

    Responder
    • Oi tici!!

      e agora, como soluciono isso? vou ver se da próxima vez arrumo o post de outro jeito para não atrapalhar a reflexão. hahaha

      prometo, beijos! :*

      Responder
  15. vanessa Oliveira

    Achei tão lindo e sincero esses pensamentos.. Tenho muitos amigos homens, desde pequena sempre tive mais afinidade… Mas acredito q seja justamente por essa mania de dizerem q amiga mulher nao presta, sabe? A gente sempre conhece uma amiga (veja bem, digo mulher) com um pé atras ouja vem estereotipando.. São coisas q acontecem todo dia e admito faço, um pouco, parte disso.. O bom é perceber o q tem de errado e corrigir. Há tempo já me questionava sobre isso e dps de ler o q li, vou me policiar ainda mais.. Temos q ser mais amigas!! Afinal quem nos entende melhor q nós mesmas? ;)

    Responder
    • Oi Vanessa!

      é, a gente se dar conta desse ciclo vicioso é o primeiro passo! porque depois fica mais fácil a gente perceber se realmente não gosta de alguém ou se estamos apenas sendo preconceituosas! beijos!

      Responder
Deixe um comentário
* Não será divulgado
Para usar avatar, cadastre-se com seu email em Gravatar.com