post da Martinha Fonseca

“Sou daquele tipo meio menina bruta”

10 jan 14

Dias desses, atualizando os emails e recados do Facebook nessa primeira semana pós-férias, recebi o texto de uma madame-leitora que me chamou atenção. Já recebi e continuo recebendo (ainda bem, porque eu adoro!) vários recados de vocês me pedindo algum tipo de ajuda: seja sobre onde comprar o babyliss que eu uso, como se vestir adequadamente para uma determinada ocasião – casamento, batizado, balada, reencontro com o ex e por aí vai!; ou onde comprar aqui em Salvador vestido de formatura. Já teve todo tipo de assunto. Mas, recentemente, um me chamou atenção em especial.

A madame pediu ajuda para se vestir. Segundo ela, apesar de comprar relógios, sapatos, brincos e roupas, ela não consegue se vestir, se sente desanimada principalmente porque, segundo palavras dela, ela faz o tipo “menina bruta”.

Fiquei pensando cá com os meus botões o que seria uma menina bruta e porquê uma menina bruta não conseguia se olhar no espelho e se sentir feliz com o que vê…

Digo para todo mundo que toca nesse assunto comigo que acho bacana e inteligente pensar a moda como uma expressão do que a gente é. Podemos comunicar algo sobre a gente por meio de gestos, das nossas atitudes, do que a gente fala, mas também através do que a gente veste. Daí a importância de sabermos quem nós somos, de fazer essa caminho de auto-conhecimento, por mais cafona que essa frase possa soar – parece livro de auto-ajuda, néam? Mas é verdade! Não tem como “saber se vestir” sem saber quem você é: como expressar algo que você não sabe o que é? 

Voltemos ao caso da “menina bruta”. Conheço incontáveis meninas que poderia encaixar nesse padrão: elas não gostam de usar salto, calça jeans e blusa pólo/básica são a roupa que elas usam com mais frequência, e mix de pulseiras ou maxicolar não são bem palavras que fazem parte do seu vocabulário. Mas e aí, o que é que tem? São menos mulheres por isso?

Volto a dizer: o importante é saber quem a gente é. Vai lá, busca, fuça, testa, experimenta… uma hora você acerta, acredite em mim. Não adianta só ler revistas, acessar blogs e querer se vestir igual a fulana ou sicrana. É preciso dedicar um tempinho para operacionalizar e racionalizar algo que a gente faz desde que a gente se entende por gente mas que a gente nunca parou para prestar atenção: se vestir.

Se vestir, todo mundo sabe; pensar esse processo é que a grande sacada.

Até hoje uma das coisas que mais adoro fazer é observar as pessoas na rua, o jeito que se vestem, porque aquele look ficou bonito em fulana, porquê não ficou. E não faço isso para medir e julgar alguém. Faço para exercitar o meu olhar, pensar, comparar, aprender, na imagem da outra pessoa, algo novo sobre mim: se nela ficou bonito, em mim ficaria também? Eu me vejo usando isso? Se sim, por quê? Se não, porquê não?

Não é porque todo mundo gosta do estilo de tal pessoa (blogueira, celebridade, amiga ou colega de trabalho) que você tem que gostar também – e reproduzir. Às vezes a menina usou uma saia lápis de oncinha e uma blusa listrada no look do dia e você achou lindo. Mas se seu estilo é mais bruto, gosta mais de calça jeans, por que não adapta a idéia e usa a tão amada calça com a blusa listrada e a oncinha no cinto, de forma mais discreta? Sem falar que, se formo falar de itens e styling de moda atual, nada mais boyish e mais in do que blusa quadriculada amarrada na cintura, blusa jeans, tênis esportivo em look utilitário, macaquinho e por aí vai!

Se o outro look que você viu combinou azul e amarelo e você achou lindo, por que você não tenta fazer isso com seu look usando as peças que você já tem? Às vezes o azul e amarelo dela, é o seu vermelho e rosa, ou roxo e preto…vai saber! Tudo depende de quem você é e de como você quer que as pessoas te enxerguem.

É muito chato acordar todo dia, se olhar no espelho, e não gostar do que vê. No entanto, mais chato que isso é perder tempo sem perceber que reclamar não adianta. A vida é sua, os problemas são seus e a possibilidade de resolver também é!

Toma as rédeas da sua vida, perde o medo de errar, confia no seu taco e vai, madame, arrasa! :*

Categoria: Sem categoria
Comente pelo facebook
14 comentários
  1. Tainara

    Amei…vc é 10 mesmo…sou meio bruta no item salto alto…

    Responder
    • Oi Tainara,

      acho que ninguém é 100% impecável e menininha em tudo. eu tenho uma amigona, por exemplo, que não sai do salto alto nem se o Papa mandar! mas com maquiagem, ela não tem esse apego todo. pó, blusa e rímel…
      entende o que quero dizer?
      acho besteira ficar se preocupando em ser padrão em tudo. a gente tem é que ser feliz, né?

      beijos!

      Responder
  2. Ticiana Araujo

    Adorei, Martinha!
    É isso mesmo! Eu tbm acho que a maneira que você se veste reflete a sua personalidade! E qual o problema disso?
    Como acho também que pode refletir o seu humor.. afinal.. tem dias que estou meio Carrie Bradshaw, mas tem dias que meu lado Gabriela, Cravo e Canela, ou seja, o brejeira, rs, fala mais alto! E meu look vai junto!
    Acho importante sim, você “se achar” para depois achar aquilo que te faz feliz, e que te deixa a vontade! Afinal, nada pior do que uma mulher no salto, sem saber andar!
    Como vc mesmo ilustrou, exitem looks muito bacanas para as ditas “meninas brutas”, algo mais clean, mas black&white, pés no chão, mas sem perder a essência.

    Afinal, como dizia a Coco (vulgo Lady Chanel): “A moda sai de moda, o estilo jamais”. E nada melhor do que SER VOCÊ para ter estilo. Seja ele qual for! E para isso, como você mesma disse “daí a importância de sabermos quem nós somos, de fazer essa caminho de auto-conhecimento”.

    Tomara que a Madame Leitora leia esse post!
    Parabéns, Martinha, pelas sábias palavras!

    Beijos

    Responder
    • Oi Tici!!1

      pois é, personalidade e humor determinam muito o que a gente veste! concordo com você!

      sobre a madame leitora que inspirou o post, espero que ela leia também!! o post e os comentários! vocês, madames, estão falando coisas muito legais!
      tomara que ela veja que não tem problema algum ser “menina bruta” e que ela não precisa sair comprando tudo por aí, principalmente se essas compras não têm nada a ver com ela.
      agora, se ela não quer ser menina bruta, hora de achar outra versão dela, não é?

      beijos!

      Responder
  3. Samantha

    Adoreei o texto!
    Confesso que as vezes também sou meio bruta, outras vezes faço o estilo delicadinha. Depende do meu estado de espírito.

    Acontece da gente se sentir desanimada às vezes. Tem dias que o cabelo tá péssimo, a roupa não tá legal, falta inspiração. Normal, acontece. O que não pode é deixar que isso vire um ciclo. Hoje acordamos desanimadas, amanha acordamos nos sentindo um diva, e por ai vai.

    Responder
    • Oi Samantha!!

      disse tudo: todo mundo acorda com o pé esquerdo de vez em quando.
      ou então é durante um período, que a gente está se achando gordinha, ou o corte de cabelo está estranho..normal, né?
      mas não dá para ficar refém disso!

      beijos!

      Responder
  4. Luana Sousa

    Certamente suas palavras irão ajudar muito ela e tantas outras que passa por isso.

    Auto- conhecimento pode ser até clichê, mas todos nós devemos buscar isso dentro de cada um e sem falar no amor próprio, olhar-se o espelho e gostar do que vê.
    Fiz muito isso, passei horas me olhando no espelho até descobri um pouco do que eu realmente deveria ser.
    Sem falar Martinha que você com o seu blog me ajudou muito a superar uma fase bem complicada, que era exatamente descobrir meu estilo e saber aproveitar o que tenho no meu armário, muito obrigado!!

    Beijos!

    Responder
    • Luana!!!

      que incrível seu comentário! obrigada por compartilhar comigo, fico honrada de ter ajudado através do armário de madame você a superada essa fase complicada que estava passando. que incrível!!
      espero que continue caminhando nessa sua relação com você!! beijos!!

      Responder
  5. Laíse

    Acho que foi o post que eu mais gostei. Me encontrei em suas palavras e na “menina bruta” também.
    Amei amei amei!

    Beijo

    Responder
    • Oi Laíse!!
      que bom !!
      tomara que a madame-leitora que inspirou esse post veja não só o post em si, mas os comentários também.
      não tem nada demais em ser menina bruta.
      se você e gosta, acho bacana assumir e pronto acabou.
      se é e não gosta, hora de olhar no espelho, de procurar se entender e trabalhar uma outra versão sua que lhe agrade mais.
      é ou não é?

      beijos!

      Responder
  6. Michelle

    Você como sempre arrasa!!
    Texto muito bom!
    Que tal unir os textos dos posts e fazer um livro?
    Talento você tem de sobra!
    Bjoooo

    Responder
  7. Amanda Dragone

    Muito bom o texto, Martinha! Faz bem a linha que penso, sem tirar nem por.

    Responder
    • Oi Amandinha!!

      a gente pensa igual nesse sentido né? vejo sempre você postar algo nessa linha “seja você mesmo”.
      beijos!!

      Responder
Deixe um comentário
* Não será divulgado
Para usar avatar, cadastre-se com seu email em Gravatar.com