post da Martinha Fonseca

E o Lulu, hein?

25 nov 13

Eu não sei nas cidades de vocês, mas esse fim de semana aqui em Salvador o assunto principal de qualquer conversa de whatsapp e mesa de amigos foi o Lulu. O aplicativo existe desde janeiro de 2013 nos EUA, mas só agora virou burburinho por aqui. A idéia básica do app é a seguinte: exclusivo para mulheres, ele utiliza o seu perfil no facebook para acessar a sua lista de amigos (sim, no masculino) e permite que você, anonimamente, avalie esses seus amigos, respondendo perguntas e atribuindo hashtags a eles, que no final resultam em uma nota de avaliação (tipo escola, 6,4; 7,9;9,0, etc). Algo como uma vingancinha das mulheres.

Sim, vingancinha. Porque o rostinho bonito da foto acima, criadora do app, disse que a idéia principal é elogiar nossos amigos, ex, paqueras, namorados. Mas vamos combinar que ninguém – nem ela mesma – cai nessa ingenuidade. Desde que o mundo é mundo, o povo adora falar da vida dos outros, e não necessariamente falar bem. E foi por isso que resolvi deixar o post que entraria hoje para entrar amanhã. Troquei os assuntos e trouxe o Lulu para a nossa conversa de hoje. Pode, né?

Que a curiosidade existe, fato, existe sim. Eu mesma baixei o app para conferir qual é. O primeiro pensamento? “Que resenha, vai ser engraçado!”. Mas aí você encontra todo tipo de hashtag para atribuir a um cara – das mais “ok” do tipo #PagaAConta #DormedeConchinha #amorzinho e etc; às mais esquisitas e baixas, como #PantyDroper #FeioArrumadinho #NeverSleepsOver #MaisBaratoQueUmPãoNaChapa #NãoSabeApertarUmParafuso #ShouldComeWithAWarning – e se pergunta se de fato isso é mesmo engraçado.

É esquisito alguém se dedicar a avaliar alguém, principalmente quando se tem o refúgio do anonimato. Acho maldoso e até perigoso: já vi que tem mulher querendo avaliar mal o namorado de uma menina que ela sempre quis ter para ela, assim como tem mulher querendo avaliar mal o ex namorado, ou o cara que já lhe deu fora e por aí vai. Nada mais do que vingança e intriga. A pergunta que não fica, então, é: dá para ocupar a vida com algo mais vazio?

A resenha do Lulu dura, no máximo, 10 minutos. Você descobre que ele existe, baixa, usa o perfil do  seu melhor amigo ou namorado para conhecer como funciona o aplicativo e só (ou então deixa seu amigo usar para sacanear com outro amigos; e, no mundo dos homens, isso é permitido e engraçado). Mas na real, qual a graça de sair falando mal de alguém por aí? E, na boa, que homem vai levar essa avaliação a sério? Ou que namorada vai se preocupar com a avaliação que é feita do seu namorado por uma anônima?

Mais preocupante do que briguinhas bobas de namoradas sobre avaliações feitas por seus bofes,  foi o tópico levantado por matérias da Forbes e do The New York Times que achei pela internet. Segundo as matérias, o Lulu tem feito sucesso principalmente entre jovens adolescentes, em período escolar  (vamos combinar que nessa fase é mais fácil achar tempo útil para o inútil; faz parte, né?). E em um mundo em que é cada vez mais frequente meninos acharem cool&fun divulgar na internet vídeos de sexo com ex namoradas (lembrem do recente caso da menina que se matou depois que seu vídeo vazou e entendam a gravidade do assunto…), meninas estão achando que avaliar negativamente e até depreciar a imagem de alguns meninos é a sua forma ideal de vingança (ao invés de procurarem ser mais precavidas nas suas intimidares ou trabalharem para tais meninos serem punidos legalmente e as meninas “reveladas” nesses vídeos serem menos massacradas socialmente por algo que todo mundo eventualmente faz – sexo).

Na boa, posso falar? Vingança só é assunto importante na fantasiosa vida de Emily Thorne, na série Revenge. É isso e isso só. O mundo já é cheio de maldade na vida real para a gente dar vazão a mais uma forma banal de fofoca.

Vejam bem, não recrimino ninguém que use o Lulu (no final das contas, cada um faz o que te faz feliz, néam??), mas espero sinceramente que esse aplicativo seja apenas a resenha do fim de semana, a curiosidade de 5 minutos e que a vida de ninguém gire em torno disso. É bobo demais, minha gente.

—–

Tempão que não fazia um post na categoria #RecadinhoDeMadame por aqui. Mas acho que o assunto valia à pena! É bom para variar os assuntos por aqui e também para gente trocar opiniões, se conhecer mais, né?

O que acharam do assunto de hoje? Já conheciam o Lulu? Acham divertido? Inofensivo? Perigoso?

Manifestem-se, madames! :*

Categoria: Sem categoria