post da Martinha Fonseca

Nova tag no Armário, Saúde de Madame: Onde encontrar coragem?

17 set 12

Madames!

Segunda-feira é o dia oficial de começar a dieta. Toda promessa de nova tentativa começa nesse dia da semana e eu não poderia perder a oportunidade desta segunda-feira para estrear uma nova tag aqui no blog: Saúde de Madame.

Muitas de vocês reparam na minha recente diminuição de peso. De fevereiro para cá, foram algo em torno de 6kg perdidos e, principalmente quando o assunto é perder porcentagem de gordura, a batalha continua e ainda tenho mais uns quilinhos a perder (mulher sempre emagrece com mais dificuldade, não é?). Em abril, eu ensaiei começar a escrever sobre saúde e bem estar aqui no blog, nesse post aqui, em que falei das nutricionistas que me acompanham na minha nova relação com a comida. Mas depois acabei não me organizando e não levei  assunto adiante. #kuen

Mas essa é a hora de fazer tudo diferente e o Armário de Madame agora terá também um espacinho dedicado à nossa saúde e bem estar – e todas as dúvidas, frustações e sucessos que a gente tem quando o assunto é esse.

No fim de agosto, já me organizando para colocar o tag Saúde de Madame no ar, eu fiz uma pergunta lá no facebook do blog (já curtiu?sobre dúvidas de vocês, leitoras, na área de exercícios, saúde, tratamentos estéticos, dietas, etc. Várias madames interagiram e responderam à pergunta. Mas teve uma madame que falou assim: “Incentivo para praticar exercícios. Sei que é necessário e tudo mais, mas onde encontrar coragem…”.

Pois é, onde encontrar coragem? Por onde começar? O que fazer? Onde fazer? Que horas fazer?

Toda mudança requer esforço, mas todo mundo aqui é humano e sabe que níveis elevados de disciplina são raros de aparecer em alguém, e até a gente sair da inércia de não fazer nada é um looooongo caminho a ser percorrido. Mas quando a gente tem companhia, tudo fica mais fácil.

Assim, a minha idéia com essa tag é irmos juntas nessa história, incentivarmos umas as outras e, assim, diminuirmos os riscos de termos mais uma tentativa que não deu certo. Poucas coisas nessa vida são tão chatas quanto essa sensação de frustração. Mas ó: nem tudo está perdido.

Eu mesma já me frustrei várias vezes nessa minha vida de “semi-gordinha” (sabe aquela criança que não é gorrrrda, mas também não é magrinha? EU!). Via minhas amigas amando ir para academia, revistas endeusando o Pilates ou nutricionistas recomendando natação, e confesso que ficava confusa. Mais do que confusa até: eu ficava sem saco.

Por que será que todo mundo ama aquilo e eu não?

O fato é que eu sou chata. Enjoada para comer, preguiçosa e chatinha com exercícios (olha eu revelando meus monstros…). Em determinado momento na vida, eu sempre enjôo de alguma coisa. E quando não tem a quem culpar, eu culpo a distância, o trânsito, as pessoas, a cor da parede da academia se preciso for (!!!).

E aí o ciclo volta a girar: eu paro de me exercitar, fico frustrada, como mais, engordo, me frusto, engordo mais um pouco (é possível?!), e quando encho o saco de novo, lá vou eu procurar por onde começar. Mas….por onde começar? Onde encontrar coragem para sair da inércia?

Acho que o primeiro passo é se conhecer. Eu, por exemplo: já entendi que sou chatinha e já me aceitei assim. Então, no meu caso, aquela idéia de “faço pilates há mil anos” ou “natação é minha vida!” simplesmente não funciona. Funciono na base de exercícios por temporada. Eu amei fazer pilates, mas fiquei lá por 5 meses e saí. Acho natação incrível, mas não gosto da idéia de meu cabelo em contato com cloro, e nem comecei. Não gosto daquele clima de academia com mulheres saradas malhando de macacão branco, mas adoro os resultados de malhar e, por isso, de temporada em temporada, eu sempre acabo voltando – afinal, não dá para viver bem com a sua bunda ficando mole. #prontofalei

Segundo passo, pare de mentir para si mesma. Tem muita gordinha de bem com a vida por aí, mas eu nunca fui dessas. E toda vez que eu vestia uma roupa e não cabia, ou eu xingava os deuses como se eles tivessem a culpa por eu ter comido tudo aquilo no aniversário de criança no último sábado; ou eu dizia, “ah, deixa essa calça pra lá…nem estou tão gordinha assim. e o que tem de mais se eu tiver?”. Só que, no fundo, no fundo, eu me odiava e queria ser diferente. Queria estar de bem comigo, com meu corpo.

Terceiro passo, pare de querer fórmulas prontas. Ninguém vai emagrecer você por você – e se for necessário, repita essa frase milhões de vezes até você entender, de uma vez por todas, que não tem nada demais comer um docinho aqui ou acolá, mas, se você exagera hoje, amanhã e depois,  a balança pesa e a calça aperta. Matemátia simples. [Mais comida] + [Menos exercício] = calça apertada (e saúde comprometida). Entendeu ou quer que eu desenhe? {hahahah, quase uma capitã nascimento…}

Mas sem pânico, ok?

Vamos juntas nessa caminhada? Vamos juntas ver que comer bem e se exercitar não é nenhum bicho de sete cabeças?

A tag “Saúde de Madame” está só começando e, aos pouquinhos, vocês irão ver os assuntos e os formatos que preparei para compartilhar com vocês. Um pouquinho de diário virtual narrando minhas experiências, misturado com entrevistas, exercícios, dicas, bate-papos.

Para vocês, só peço uma coisinha: vamos interagir, certo? Se tiverem experiências para contar, se quiserem sugerir um assunto, se não gostarem de algo que eu postei, se quiserem tirar dúvidas…sintam-se à vontade! Instagram, twitter, facebook, comentários e emails do Armário de Madame estão de portas abertas para vocês.

Esse assunto em especial só fará sentido de vocês gostarem, curtirem e interagirem comigo. Combinado?

Categoria: Sem categoria